17 de janeiro de 2015

PONTIFEX: Pergunte e Aguente
Essa ideia surgiu numa das nossas últimas postagens. É um balão de ensaio. Vamos ver se vale a pena.Eis as regras:
– Faça uma pergunta pessoal in box. Tipo ¨consultorio¨ de revista.
– Percebi que pessoas têm algumas questões entaladas que se discute bastante nas consultas particulares
– Mas aqui, não é consulta particular. É tipo SUS.
– Muitas pessoas, ao falarem de seus anseios ou preocupações recebem respostas-padrão, bem bobinhas e comuns, ou ficam naqueles supercansativos DR, ai quem aguenta?! Um nhemnhemnhem que não leva a nada e, às vezes, até piora. Claro, claro, tem excessões. Tem, também, a turma que critica demais e sem o mínimo conhecimento de causa. Enfim:casos estacionados atrapalhando o fluxo da vida. Congestionamento planetário.
– Como sou uraniana/plutoniana y otras cositas más, faço ¨terapia ouranos/hades¨. Cara, não há tempo a perder, deu para perceber? O dia nunca mais teve 24 hs.!
– Enfim, quem quer resolver um problema, resolve, quem não quer fica rodeando o território.
– Pontifex significa:Aquele que constroi pontes. E para isso, usa a ferramenta que achar mais util e rápida.
– O título desta coluneta ia ser de um tema de um blog que eu faria. Mas, vou te contar: ainda não tenho paciência para cultivar blog. No Facebook tudo é mais rápido. Pode ser que um dia, eu mude de opinião. Muda-se conforme interesses e entusiasmos.
– Então, se v. ousar, faça sua pergunta e aguente a resposta. Pois ela será,frequentemente, provocadora,irreverente,polêmica. Mas com muito amor. Bem, muito, não, mas com uma boa dose. Amor à Humanidade, ou seja, a mim mesma, já que faço parte dela. Jamais brincarei com os sentimentos de ninguém, porque respeito as pessoas tanto quanto respeito a mim. Corolário: quem não respeita os outros, não respeita a si próprio.
– Ficamos combinados assim: provavelmente uma vez por mês, geralmente no 2 domingo do mês, como hoje, responderei às perguntas que alguém tiver a audácia de se arriscar a ouvir o que vai ouvir. O título da coluneta já diz tudo. Não adianta reclamar. Pensar antes de aventurar.
– As perguntas in box devem ser diretas e sintéticas, como serão as respostas. Darei um pseudônimo à pessoa, conforme o tema da pergunta, avisando-a de qual será. Assim, ela se identificará na resposta. Claro, o pseudonimo já é para aguentar, goste ou não. Mas tem que concordar antes. Na Era de Aquario não dá para ficar enxugando o oceano. O caminho é celestial: arriba! Na vertical.
– O sociólogo A.Werneck é dos meus, mesmo sem saber. Diz êle que zoar, chamar atenção para o erro, sem criar conflito, é melhor do que criticar (ou dar lição de moral), ainda que a resposta seja marrenta.
– Todo aluno ou cliente é um desafio para a inteligência. Eles estão ali como receptores e provocadores. Ouço-os, sem querer que saiam logo pela porta a fora,como já vi em certos consultorios. Tudo o que sei, até hoje, devo 50% a eles e o resto a mim mesma.
– Que fique claríssimo: as respostas aqui não são consultas, não são discurssões de mapas, jogos,filosofia, técnicas ou o que for. É bateu,levou, mas numa boa; numa ótima, quiçás. Quem quiser aprofundar que marque consulta, que leia meus livros, que faça meus cursos. Consciência dos limites.
– As respostas têm a intenção de acelerar a vida, fazer raciocinar, despertar (V. aí, levante-se!). Gente, vocês têm uma mente criativa, sabiam?Façam uso dela e esqueçam Papa Google por uns instantes!
– Muitas respostas serão úteis a quem não perguntou nada: porque as perguntas,geralmente,são arquetípicas, comuns á maioria. Portanto, ainda que v. nada tenha perguntado, leia assim mesmo e, quem sabe, cai a ficha?
– Releia as regras acima antes de perguntar coisas que já estão escritas.
– E seja o que Deus quiser. Vamos lá. Evoè! Que estamos na época e Pã chama.
CASO 1- COMPREI MAS NÃO LEVEI
Pergunta: Trabalhava com finanças e era infeliz.Estudava terapias vibracionais há 30 anos, gostava, fazia de graça. Quando tive uma EQM (experiência de quase morte) larguei o trabalho e investi nas terapias. Meu professor me elogiava e me mandava clientes. Mas não é suficiente para me manter. Será que não sou vista o bastante?
Resposta: Eis um choque de realidade: a banca não se faz em 5 minutos. Já devia ter começado há 30 anos, ou pelo menos há 28, bela idade de Saturno. Quem trabalha 30 anos de graça já mandou sua mensagem para o universo. Leva tempo até êle entender que as coisas mudaram. E de que reclama,se ainda te mandam clientes?Maravilha dos deuses! Cada vez que um cliente entrar faça uma saudação silenciosa ao universo ou a quem lhe indicou. Vida de autônomo é uma ralação só. E tem mais:cada queixa é um cliente a menos. O céu nunca compactuou com lamentações.
CASO 2 – SÓ PENSO NAQUILO
P.: Tenho obsessão por uma pessoa há 30 anos. Além dela não gostar de mim, já sumiu e já fez a sua vida. Quero libertar a minha mente e não consigo. Até quis estudar Astrologia para solucionar e nada.
R.: (parêntesis – já começamos logo com 2 que estão fixadas nos 30 anos, será esse um número mágico?A ver). Sua obsessão não é com uma pessoa. É com um filme na sua cabeça, um seriado. Ia até citar um, mas deixei para v escolher qual. Meu bem, que tal mudar o filme e ficar com uma obsessão mais atual. Até Lost acabou… Modernize-se. Cabeça cheia é como gaveta cheia:não cabe mais nada. Pode ser que v goste mesmo é do impossível e da grife masô, sabe-se lá porque ( ainda que se façam deduções). Não é por nada não, mas quando tiver a minha idade, que outro seriado vai ter para contar?
CASO 3 – ERREI SIM, MANCHEI O TEU NOME
P.: Sou deprimida porque andei fazendo uns maus feitos e agora não sei o que fazer.Sou egoista, sem amigos, faço piada com a cara dos outros; além de ser fanática religiosa. E meu sono é induzido. Minha família me proibe de ir para a India e etc.
R.: Quem algum dia não fez algo mau feito? Ou v. quis dizer malfeito? Porque são coisas diferentes. Bem, egoismo não é defeito. Ás vezes é necessidade de sobrevivência. V. não fez nenhuma pergunta, apenas se queixou da vida. Aliás seu texto é muito criativo, quem sabe algum dia isso não dá umas flores? ( a pessoa escreveu um texto maior, cheio de firulas interessantes, mas aqui é sempre resumido). Olha aqui, os cabalistas dizem que a má língua (aquela que fala coisas negativas,prejudiciais,etc) é um problemão, fazem logo uma figa (ou algo parecido). Te entendo, viver não é fácil. É para heróis. Já te considero uma heroina. Mas heroinas precisam usar a inteligência para entrarem na Historia.
CASO 4 – LOGO COMIGO!!
P.:Porque não decolo profissionalmente? Tenho diversas habilidades, mas tenho baixas no meu consultório.
R.: Poxa, outro caso semelhante hoje mesmo! A sua colega Caso 1. Sim, sei que cada caso é um caso. A questão é: faça uma honesta avaliação sobre v. e sua vida profissional, descubra onde está o problema e corrija. Porque se não descobrir, a novela continua. Pode ser que v. não consiga diagnosticar. Nesse caso, observe a cara dos outros quando estão com v. Caras falam. Ou, então, pode ser que esteja faltando alguma coisa. É completar o incompleto.
Por hoje chega. E aí, que acharam da idéia? Navegar é preciso. Até que não foi tão assustador…