07 de fevereiro de 2015

Pontifex: hoje é o 2 domingo do mês, dia do Pergunte e Aguente, enquanto vocês e eu aguentarmos. Foram muitas as perguntas, que serão respondidas por ordem de chegada. As demais ficarão para março. Já conhecem as regras do jogo. Não vou repetir. Leiam no post do Pontifex que tratou do tema.
A postos:
1. A menina e o boto
Pergunta: Apaixonei-me por outro quando estava noiva. Éramos bem diferentes, e até a família dele dizia:Ela não é para você.( Sabe-se que o que a família proclama, para muitos é decreto irrevogável, ou sentimento de culpa, se ousar cair fora). Mas continuamos nos encontrando e ele me dizia:
– Eu te amo, mas não vai dar certo. (Pontifex pergunta:mas o que é dar certo? Não vai dar certo , mas vai levando, que ninguém é de ferro.)
Casei-me, separei-me, tive outros casos. Hoje tenho 60 anos e ainda penso nele.
Resposta: O mito masculino da sereia, o sereio, é o do Boto, lá da Amazonia e adjacências. Uma relação impossível, transgressora e apaixonante. O amor polêmico (espírito de porco social), que se interessa pelo inconvencional. O que a sociedade ratifica não tem a menor graça. V. cumpre os trâmites sociais (casar, etc), mas o olho fica comprido, olhando o que não ¨devia ¨olhar. O normal é um tédio, ai meu Deus…. O que importa é o tabu, o proibido. E daí? Continue sonhando,meu bem, mas não estraga o sonho com lamentações. A transgressão não admite queixas.
2. Esperança é a última que morre
P:- Como levantar minha auto-estima, depois de uma separação, se ainda tenho esperança dele voltar?
R- Auto-estima não se levanta.Quem tem, verdadeiramente, auto-estima sabe que ela nunca cai. Perder faz parte desta encarnação.Ficar adulta, também.Confiar no futuro e ir em frente, idem.A fila anda. E, quem sabe, para coisa melhor? Bom, pode ser que seja para pior: mas isso só acontecerá se v . não souber fechar as portas para um passado (isto é, para uma atitude pessoal improdutiva). Em casa ocupada, em poltrona ocupada, hóspede novo não entra nem senta. Ah, mas e se êle voltar? Aí, alguém vai ter que mudar o script, senão a historia se repete. E, então, de que terá adiantado a esperança?
3. Mãe ou Amante
P- Nos meus relacionamentos com os homens acabo virando mãe. Agora interessei-me por uma pessoa, avancei e êle recuou. Quero um relacionamento real. Disseram-me que Yemanja não aceitava relações.
R – Ou v. é amante ou é mãe. Se prefere ser mãe, arranja um parceiro que tope ser filho. Tem aos montes por aí. Mas, vem cá, o que é um relacionamento real? Todos esses que v. teve foram em estado de vigília?
Cada qual com o seu real. Relação real para mim ou para o leitor/a aí são diferentes realidades. Odoya! E v.teve que botar a rainha do mar, a mãe de todos nessa jogada! Se v.ler o meu livro de mitologia, Quando éramos Deuses, vai ver que ela até teve uma relação incestuosa e ficou pau da vida! Bem, basta uma dessas, meu bem. Já cumpriu o karma. Geralmente as mulheres-mães gostam de cuidar dos outros e lhes ouvirem as queixas.Porque não vai trabalhar com isso?
4. A Coleção
P- Tenho um atelier de arte, compro todos os materiais necessários e mais. Só que nada faço, não acabo o que começo.
R- Duas coisinhas: a) v. gosta mesmo é de colecionar. Comprar é um dos grandes prazeres poderosos da vida. Sugestão: monta uma loja e ainda vai ter lucro, além de conhecer gente nova que vai lhe pedir sugestões pelo seu bom gosto.Nossa!vai ser a rainha do pedaço! E esvazia o atelier, e compra novamente, e esvazia novamente. Viver é movimentar-se. b) ou v. não gosta mesmo é de se desfazer das coisas, pessoas, situações, o que for. O que entra não sai. No pior dos casos, dá um tranco na coluna, no melhor dos casos, acumula bens. Que tal? Em qualquer caso pode ter lucro.
5. Morrer na praia
P- Ando com raiva de tudo, e dos dogmas das religiões, e da necessidade até de me casar. Sinto que nadei, nadei e morri na praia.
R- Meu bem, é porque v. nadou para a praia errada. Mude as regras e os decretos, mude a praia. Porque praia sempre haverá.
6. A Bruxa
P.- Desde pequena sou fascinada por bruxas, até fiz um trabalho escolar sobre o massacre das bruxas. Porque será esse fascínio?
R.- E o fascínio precisa de explicação? Bom, vai uma: provavelmente v. viveu uma história dessas em VP. A pergunta de um milhão de dólares é: V. foi a bruxa massacrada ou v. foi o massacrador? Pensa bem, qual v prefere: a massacrada tinha o poder do conhecimento, via mais que os outros, SABIA. Isso leva a inveja, perseguições,etc Mesmo assim, aguentou o risco. O massacrador adora uma vingançazinha ou vingançazona, contra todos que lhe rejeitam. A luta de poder continua per omnia secula seculorum (bruxa sabe latim).
7. A Difícil
P- Meus relacionamentos são todos difíceis. Já fiz terapia e nada.
R.- Querida, qual o relacionamento que é fácil? Só os bem chatinhos. Ah!liás, o que v. chama de difícil? Seu nível de frustração é nanotecnológico ou tem banda larga? Mas, v. quer ¨curar¨ a sua dificuldade? Que tal evitar gente complicada, ou v. se descomplicar?Sabe o que vai acontecer, então? Terá que fazer terapia contra o tédio, ou ir ao dentista por ter destroncado o maxilar de tanto bocejar!… Enfim , torne o difícil fácil e descubra novos horizontes .Eis uma grande jogada. Se v. souber dar as cartas.
8. Ensaiando voo.
P- Tento bater asas, ir embora,sair do ninho. Mas não quero abrir mão dos meus amados que não me acompanhariam. Nem quero abrir mão de mim. Por isso, tenho uma vida secreta, de grande importância, mas fico triste. Voar é um sonho.
R- Meu bem, v. ainda não está pronta para o voo. Talvez este nem seja o projeto da sua alma nesta encarnação, perhaps next life. Quando a necessidade de ir embora é grande e real, o voo acontece, mesmo se estabacando. E dane-se o resto.Mas, só tem uma coisinha: terá que pagar a fatura. No free. Então, o melhor mesmo é a vida secreta: saiba que há grandes riquezas e deslumbramentos na vida oculta. Os xamãs passam por isso. Mas v. não pode se dividir! Seja infiel com alegria e animação! Aí tudo ficará bem, pois há pessoas paradoxias que precisam de lutar em 2 linhas de frente opostas. O que lhes confere inteligência sem precedentes.