19 de abril de 2015

Pontifex hoje responde a 4 perguntas do Pergunte e Aguente e , depois, fala um pouco de Constelação Familiar (CF).
Seguindo a ordem das perguntas e das urgências, vamos lá:
PERGUNTE E AGUENTE
26. Paixão justifica?
P. Estou fascinada por um homem casado.Acho que nas paixões não há certo nem errado. Mas será que isso não é uma justificativa para a minha conduta?
R. Como é que é? V. quer e tem a culpa, está se enrolando em si mesma? Paixões precisam de justificativas? Tsunamis precisam de justificativas? Se v levar a vida se apaixonando e culpando-se, será como acelerar o carro e dar uma freiada brusca. Até estou ouvindo cantar os pneus. Não vai dar certo.
Fortes emoções são a sua vibe? Por acaso é fã dos shows do Roberto Carlos? Fortes emoções não selecionam, são erupções vulcânicas, como aquele lá da Islândia que é impossível de pronunciar.
Talvez, na verdade, v. não se interesse por uma relação de olhar a cara todo dia, de ouvir o agradável ronco ou a apneia das 3 da matina. Só com muito amor para dar.
Mas, me diga uma coisa:
– Porque v assume sozinha que a sua conduta não é correta? Ou será que v se apaixonou sozinha e ele nunca deu corda?
27. Insuficiência
P. Eu era do mundo corporativo e saí para ser artesã e astróloga. Não consegui me realizar profissionalmente. Estou sem expectativas o que ganho é insuficiente.
R. Para se sair do estável para o instável, tem -se que estar preparada psiquicamente e eficientemente. Ou se embanana toda. A concorrência está aí: 8 bilhões de habitantes em Gaia. Também pode vender para 8 bilhões, ou pelo menos 1 bilhão. Só que precisa conquistar a turma com sua criatividade e competência. Isso não acontece em um dia, nem em um ano. Ser livre, ás vezes, aprisiona.
Se v. tem o dom, não devia se queixar. O dom enfrenta tudo e um dia chega lá. O dom não conhece feriado, horário, criança chorando, marido reclamando do almoço ou do jantar, etc etc.
O dom persiste, faça chuva ou sol de 40 graus. Porque quando se tem o dom, nasceu-se para aquilo e não se tem stress. Nem que a vida ande a passo de cágado. E olha que tenho uma tartaruga aqui, a Elizabeth, e ela não anda tão devagar assim. É persistente.
Enfim ter salário é mais fácil do que correr atrás de salário. Corra, Lola, corra. Enfrenta a concorrência, porque há gosto para tudo. Não desanima. Mas porque não procura, também, um emprego?
28. O céu é o limite
P. Quero uma relação que me ame verdadeiramente, que me faça companhia, que me dê atenção, que me valorize, que seja meu amigo, que divida comigo, que tenha paciência. Também quero um trabalho que goste e que me pague bem, não preciso de luxos, mas não quero ter preocupações.
R. O que v quer 90% da humanidade quer. Tudo questões venusianas. Não deixam a coitada em paz. Me fala em segredo: aposto que v. tem Netuno ou Peixes fortes no seu mapa. Eles é que buscam o paraíso.
Mas, v. falou aí em cima que quer alguém que tenha paciência com você. Essa é nova. Foi um ato falho? O que v. faz para tirar a paciência dos outros? Perguntou, então aguenta. Psicologizando, filosofando: porque v quer um montão de coisas num relacionamento e não diz o que tem para dar? A vida é como um balcão de negócios. Mostre antes, num relacionamento e num trabalho, o que v tem para oferecer.
São raras pessoas que ousam ir no desconhecido, parece que foram educadas pelo medo e desconfiança e não para a alegria e a abertura. Não se feche , não se queixe. Acaba atraindo motivos de queixas. Olha aí, tem uns sites de relacionamentos bem organizadinhos. Quem sabe v não encontra esse encantado?
29. Ô Karma!
P. Tive uma infância miserável, violenta, agressiva,só te conto in box. Aos 15 anos fui para o mundo e sofri com as parcerias afetivas, ai como sofri. Sou gay, e tenho boa pinta. Com 17 anos me casei , hoje tenho 24 e sinto um tremendo vazio. Não dá para sair da relação porque não tenho para onde ir: a violência na família continua. Até meu interesse em religião e misticismo apagou-se. Que fazer?
R. Você está vivo? Quer continuar vivo? Então só tem um jeito: continuar, seguir, ir. Viver é para heróis. Principalmente para alguns que foram sorteados e têm muita sensibilidade. Parece-me que v. tem mestrado ou graduação em relações bravas, difíceis, desses filmes que rolam por aí e o pessoal tanto gosta. Porque devem lhe falar à alma também.
Então, já que há um bom público, porque não se especializar nisso? Use seus atuais conhecimentos e os interesses místicos para facilitar o que é difícil para os outros. Semelhante cura semelhante.
Não há relacionamento inofensivo. Todos deixam marcas e trazem transformações. Embora nem todos queiram se transformar.
Então, ao trabalho, com a sua especialidade.
Gente, estava escrevendo e me deu uma fome! Vou almoçar. Depois eu volto com a 2 parte sobre Constelação Familiar. Au revoir.